ESGRIMA ARTÍSTICA

A Esgrima Artística surgiu para suprir as necessidades do cinema, do teatro e do espectáculo em geral. Pode também ser chamada de Esgrima de Espetáculo para englobar as múltiplas possibilidades dessa técnica. É uma disciplina em que não se improvisa. Destinada a fazer reviver os combates épicos dos esgrimistas e duelistas do passado é uma atividade que exige concentração, método e seriedade na sua prática. A Esgrima Artística possui duas grandes contrariedades que vão condicionar a técnica e os seus métodos de trabalho: não existe proteção, e as armas são reais. Sem preparação é um jogo muito perigoso. A apresentação é prioritariamente dirigida ao público e não ao prazer dos combatentes. A técnica da Esgrima Artística é muito precisa a fim de garantir a segurança dos combatentes e do público. É uma disciplina onde o risco de acidente nunca está ausente. Para oferecer um espectáculo que faça vibrar aqueles que assistem é necessário aprender certas técnicas e treiná-las para adquirir o gestual e mestria necessária para o manejo das armas. Tal como os esgrimistas desportivos, os esgrimistas de espetáculo devem treinar regularmente a fim de garantir a sua própria segurança e o aprimoramento de sua técnica. Uma cena de combate artístico é delineada muito tempo antes da sua apresentação ao público. É necessário que todos os encadeamentos e frases de armas estejam escritos e decorados. Mas não basta isso para que o espetáculo esteja montado.

É necessário igualmente definir a caracterização das personagens, as suas atitudes, o ritmo do duelo e diálogos.

A violência de uma combate produz-se principalmente pelo jogo dos atores e o ritmo das frases de armas. Usar de força exagerada nos golpes realizados não faz um combate intenso, isso apenas torna-o perigoso. Aos executantes talvez cause emoções mais fortes, mas isso não aumenta o interesse dos espetadores. É possível tornar uma cena intensa mesmo sem desferir algum golpe, é apenas uma questão de "mise en scéne" e de movimento. A violência deve estar ao serviço da cena e não o inverso.

Os trajes são parte importante do visual do combate. Eles situam a época e o contexto. Todavia, certos trajes ou equipamentos provocam limitações de movimento. Assim é necessário tê-los em conta na elaboração de uma cena, pois não se pode realizar o mesmo combate em trajes comuns e em armadura completa.

As armas são um instrumento de expressão. É com elas que se dialoga numa frase de armas. Elas fazem parte integrante do traje e devem respeitar tanto a estética como a época. A sua perfeição deve aumentar proporcionalmente à proximidade do público. Como a sua utilização é constante elas devem ser muito resistentes e ao mesmo tempo flexíveis.

A fabricação das armas, principalmente no que concerne às lâminas é uma matéria que exige muito conhecimento. As armas de decoração são perigosas: elas não são forjadas para serem utilizadas. Cuidado com a fabricação caseira de armas pois é regra obter-se resultados muito pesados, desequilibrados e de inércia incontrolável.